24 agosto, 2007

Agosto...

Minha primeira “paixão” foi ainda na escolinha, eu tinha uns 4 ou 5 anos e gostava do filho da minha professora que tinha uns 10 e obviamente não me dava bola. Depois tinha um colega que não lembro nem o nome só sei que ficava de mãos dadas comigo quando sentava do meu lado.
Depois teve um que queria namorar comigo (acho que já contei esta história), ele era lindinho, cabeludinho super fofo. Mas imagina só, o guri com 13 anos e eu com 9. Claro que não aceitei, mesmo com todas as declarações que ele fez para mim. Eu acampava durante as férias em Flores da Cunha e ele também. Numa noite ele me chamou para conversar perto das churrasqueiras. Já tinha deixado tudo preparado, a música de fundo era Patience do Guns n’ Roses. Disse que era apaixonado por mim, queria namorar e ia pedir o consentimento do meu pai e minha mãe. Eu disse que não, que era muito nova. Ele ficou mais um tempo insistindo e eu dizendo que não. Na verdade eu gostava dele, mas imagina namorar com 9 anos...
Ai, chegou a adolescência e os amores ficaram mais fortes. Teve o cabeludinho da rua, loirinho de olhos verdes, bonito, querido, mas muito convencido. Ele sabia que era bonito e esnobava, minha paixão durou um ano, ele rindo de mim e eu triste pelos cantos, mas passou. Na verdade eu descobri que ele apostou que ficaria comigo com os amigos e me senti usada, pois só assim ele começou a me olhar.
Até que ouvi um outro garoto de olhos verdes falar que a “loirinha do meio era a mais linda”. Advinha quem era a lorinha? Eu. Mas com ele o esquema foi mais complicado, ele queria ficar comigo, mas só quando estava sozinho, quando estava com os amigos me ignorava. Nunca fiquei com ele. Um dia ele estava com outra garota, no outro eu nem olhava na cara dele, ai ele ficava brabo e nem falava comigo e assim foi...
Ele sempre ficava um ano na cidade e um ano fora e quando ele não estava eu sentia falta. Mas teve um ano que sumiu e no final das contas não senti tanto quanto achava que sentiria.
Depois fiquei egoísta, não queria saber de namorar só de ficar e me divertir, compromisso não era comigo, enrolava os caras. E por incrível que pareça, meu primeiro namorado, de namorar mesmo, ir na casa dos pais, sair junto, foi (e ainda é) o único. Não dei chance para os outros, nem era necessário. Encontrei quem eu queria, meu melhor amigo da escola, o mais engraçado, querido e com os olhos mais azuis. Aquele que eu ligava (mesmo antes de termos qualquer coisa) e conversava durante horas. Que eu contava tudo, que me fazia rir, me provocava e me incomodava. Ainda bem que ele ainda está me incomodando...

6 comentários:

Adele Corners disse...

Se ele te incomoda, tudo bem.

Mas por que ME incomoda? POR QUÊ????

Paulo disse...

Bonito esse lance de primeiro e único namorado! E enquanto estiver incomodando, está ótimo! :)

Suelen.... Suanisleusa.... disse...

ai ai ai q lindo!
acho linda a relação de voces mesmo depois de anos...e pelo visto a tendencia é so melhorar, mesmo ele te incomodando...manda a Mia morder o nariz dele denovo!

e quanto os amores antigos...ah eu já tive as minhas decepções...e o meu 1° amor de colégio que nunca me deu bola pq eu era gordinha e feinha agora me manda e-mail dizendo q eu to uma gata querendo sair comigo...ha ha ha o tempo é o melhor amigo da vigança!

Karina disse...

Esse seu texto me fez lembrar dos meus primeiros "amores" tb.
Fiquei amiga da minha melhor amiga (a irmã que escolhi) pq gostávamos do mesmo menino na escola e no começo nos odiávamos por causa disso, vivíamos brigando; e ele, claro, adorava essa situação. Até que percebemos que estávamos fazendo papel de idiotas e nos juntamos pra nos vingar dele..huahauha.
Acho genial a maneira como vc conta suas histórias, sempre simples mas mto bem escritas. Parabéns!!
Bjo

Laine. disse...

ahhhh....

ahhhh.......mas quanto mel....

como assim q eu nao tinha o teu blog no meu blog?
hein?
hein?
me explica essa porra, roxélen!

Grasi disse...

Adorei o texto!
Eu tb passei por várias situações parecidas... pensa numa guria que mais parecia um guri... pois é era eu... e por isso era bem difícil algum guri me olhar... tive muitos amores platônicos...
=DDD

Ainda bem que a gente cresce e encontra pessoas legais para ter ao lado.
Bjo**